Homepage
     História de Francisco
     Factos Históricos
     Documentação:
     Principado da Fuzeta
     Programa do Governo
     Notas de Imprensa
     Livro de Visitas
     Contactos
 |«   «  9 10 11 12  »   »| 
 

N.52

Também deve de explicar com exactidão a que é a autonomia, ao “bem Comum”: ou seja autonomia total ás pessoas de todas as profissões, civis, como também militares etc.: por exemplo: é grave alguém fora da medicina, impor leis etc. sobre qualquer matéria que envolva a saúde das pessoas, portanto no Estado, que eu represente é decisões dos médicos, cujas pessoas é que sabem responder, e actuar, foi para esse fim que estudaram nas universidades, para conseguir os seus diplomas de pratica, e não pessoas que nada sabem sobre o assunto, e digo mais; aqui o que conta é as provas adquiridas, nas universidades, escolas ou de identidades, que tenham autoridade para tal, especialmente aqui na Europa: seja qualquer pessoa que faça plena prova de um documento, em como é médico, advogado, engenheiro, arquitecto, ou outra profissão qualquer,  tem toda autonomia de exercer a sua profissão, sem impedimento algum, no Território do Principado da Fuzeta da Rainha D. Maria I. «Maria Pia» nem é exigido filiar-se em alguma ordem, não é a ordem dos médicos nem dos advogados dos engenheiros etc. que passam os respectivos diplomas, mas sim as pessoas da Universidades, que foram mandatadas por lei, não há nada contra as citadas ordens, eu respeito, mas para que se possa pedir responsabilidades aqueles que as executem é assim. Quando preciso de decidir, em qualquer assunto, consulto as pessoas, credenciadas, não consulto um ferrador, para decidir sobre, jurídica, não consulto um pedreiro sobre a pesca, etc. mas sim os que entendem da matéria em causa.

N.53

Lamento a má interpretação por parte de varias pessoas, algumas até, me deixa triste, pelas frases, que pronunciam contra á minha pessoa qualquer pessoa, que saiba ler, vê desde logo, que os documentos que estão a publico são pertença de Portugal, em beneficio dos portugueses em especial, não é um bem meu pessoal, como um carro, uma casa, um terreno, trata-se, de um bem “COMUM” que estava escondido, e eu ao rever um direito, sem saber,  não podia permitir que fica-se na mesma, seria uma catastrofore, se estes documentos, passassem, para pessoas, com intenções contrarias ás que eu fiz: em beneficio, do bem comum, é uma decisão judicial.

N.54

Eu entende que não posso agradar a todos, mas digo com toda a clareza, nós portugueses, temos que nos unir para que a nossa “CASA PORTUGUESESA” não seja mais desvastada como tem sido “chega.”não tenho inimigos pessoais, os meus inimigos é a fome, a miséria, e injustiça.

Eu penso que este resume faz entender, bem a verdade dos factos presentes.

N.55

Não posso deixar de mencionar, algumas frases que nunca me esquece,  a de uma jovem, o senhor vai ser muito invejado, mas não desista, um jornalista, Portugal espera de si, uma mensagem, não se deixa dominar pela inveja tome muito cuidado, estas frases, como tantas outras, de apoio, incondicional, também por parte de pessoas, de um nível de Estado que eu próprio estou muito emocionado não tenho palavras de agradecimento, para tão ELUSTRES e NOBRES pessoas, que Deus lhes recompense por, se terem lembrado que   os portugueses, também têm o direito se serem tratados como humanos.

Esta difícil CRUSADA   demonstra bem a importância  que tem; esta NOBRE causa  por PORTUGAL, cujos factos estão consumados.

Mas enquanto viver nunca deixarei de lutar contra a “injustiça”: mas com as armas da verdade armas, pacificas, e não com as armas do TERRROR. 

N.56

Sobre o horrendo massacre recentemente contra as crianças, e adultos, na Escola na Rússia, é inaceitável á FACE da TERRA, tal acto MALIGNO: 

Enquanto as Nações unidas, Tribunal Internacional, e a Comunidade Europeia: não instituírem uma REGRA, que seja rejeitada qual quer pessoa, ou grupos, sejam políticos, o que natureza for, de nunca ocuparem, o poder dos Estados, enquanto não for estabelecida tal REGRA, continuará, sempre tais “CARNIFICINAS” não se pode negociar com pessoas vestidas das vestes sanguinárias, e nem com os que pactuam, está á vista os frutos.

Exemplos dos massacres de Angola de 1961, e não só, cujos autores e complices, ainda foram, alguns condecorados etc. a justiça portuguesa o que fez?, recentemente temos o onze de Setembro na América, na Espanha em onze de Março, deste corrente ano, etc. etc. ainda  não é suficiente?, para continuar haver “Pilatos” a lavarem as “MÂOS”? sobre o sangue?

N.57

Eu espere que esta minha simples e humilde narração, que é bem simples de entender, sobre os factos existentes,  que sejam entendidos de uma maneira, que “nós Humanos”, sem a amizade de uns, para com outros, é impossível, de vivermos em paz, neste JARDIM. nós precisamos, uns dos outros,  independentemente, de cor raça credo, ou de posição social.

N.58

Jesus Cristo disse em Jerusalém, para todos os Homens, e Mulheres, examinai as Escrituras: cujo conselho não é para fins, adversos, á Humanidade mas sim, para que todos nós, examinemos sempre com humildade todas as decisões, que nos é indispensável á nossa sobrevivência á face da Terra, (cujo Jardim vivemos): e não através da semente do ÒDIO.

 

   11 de Setembro de 2004—Principado da Fuzeta da Rainha D. Maria I

 

                             Autor e escritor ------- Francisco R. Candeias    

NETEURO © 2008